Vício em sexo é real. Estudo revela a causa do problema

Para os cientistas, os novos resultados confirmam que a hipersexualidade é de fato um transtorno mental e deve ser tratado como qualquer outra forma de vício

No ano passado, a Organização Mundial da Saúde (OMS) classificou o comportamento sexual compulsivo – mais conhecido como vício em sexo – como um distúrbio de saúde mental. Apesar disso, diversas instituições internacionais, como a Associação Americana de Psiquiatria, ainda não consideram a hipersexualidade como um problema de saúde. Um dos motivos para essa discordância está na dificuldade em encontrar a ‘causa’ do distúrbio. Todavia, uma nova pesquisa pode ter encontrado a resposta para esse enigma.

Uma equipe de investigadores suecos revelou que a origem da condição pode estar numa alteração no DNA que aumenta a produção do hormônio ocitocina, também conhecido por hormonio do amor. O excesso da substância faz com que o indivíduo se sinta atraído por várias pessoas ao mesmo tempo – o que o leva à procura compulsiva por sexo.

Uma segunda pesquisa realizada pela equipe mostrou também que a parte do DNA responsável pelo surgimento de vícios também é alterada em pessoas com comportamento sexual compulsivo.

Para os cientistas, os novos resultados confirmam que a hipersexualidade é de fato um transtorno mental e deve ser tratado como qualquer outra forma de vício.

A descoberta é importante, pois estima-se que 3% a 6% da população mundial sofre com o distúrbio. Estudos realizados nos Estados Unidos, por exemplo, mostram que 5% dos americanos têm hipersexualidade  – essa taxa é maior do que a encontrada para outros problemas de saúde mental, como esquizofrenia e transtorno bipolar. Outras estimativas sugerem que o problema afeta mais os homens (um em cada dez) do que mulheres (uma em cada 12).

Outras matérias

Editora Brasiliense ganha Prêmio Internacional: V Edição Prêmio Boas Práticas Locais com Enfoque de Gênero

Projeto Transversalidades é o 3º lugar no México e o 1º no Brasil. A Pergunta Fixar, editora brasiliense, é finalista dos Prêmios da União Ibero-América de Municipalistas (UIM) às boas práticas locais com enfoque de gênero na categoria STEM, sigla em inglês para Ciência, Tecnologia, Engenharia e Matemática. Terceira colocada global e a única empresa brasileira na final. O projeto […]