Projeto prevê inclusão digital para idosos

Empresa que distrital José Gomes passou à irmã quer contrato da CLDFProposta do deputado José Gomes estimula o acesso à tecnologia
Vivemos em um mundo cada vez mais conectado, mas grande parte dos idosos ainda não tem acesso ou tem dificuldades para navegar pela internet e utilizar de forma segura os avanços que a tecnologia trouxe para os celulares, bancos e comércio eletrônico. Para incluir esse público no mundo virtual, o deputado José Gomes protocolou, na Câmara Legislativa do Distrito Federal, um Projeto de Lei que assegura a inclusão digital como política de proteção aos idosos.
A proposta inclui na Política Distrital do Idoso o direito de acesso à internet, o exercício da cidadania por meios digitais, a educação sobre as múltiplas plataformas de acesso aos serviços públicos, a obtenção de informação e a educação a distância. “A proposta também tem como um dos objetivos prevenir esse público de golpes feitos pela internet”, declarou José Gomes. De acordo com o parlamentar, a falta de conhecimento do mundo digital faz com que os idosos sejam as principais vítimas de crimes virtuais.
José Gomes ainda destaca que o idoso não deve sofrer discriminação de qualquer natureza, inclusive no acesso aos meios digitais de informação, e que deve ter a liberdade de aprender e de se atualizar para não sofrer exclusão digital. “A minha proposta determina que as diferenças econômicas e sociais devem ser observadas pelos poderes públicos e pela sociedade para que todos os idosos da nossa capital tenham acesso ao mundo digital”, enfatizou o distrital.
O PL prevê que sejam realizadas articulações com órgãos governamentais e entidades não-governamentais visando a expansão da rede de atendimento à pessoa idosa, inclusive com meios e instrumentos que lhe assegure a inclusão digital. Também estipula que sejam implementados meios que garantam aos idosos acesso a computadores conectados em rede, aproximação das mídias digitais, educação sobre acesso à rede mundial de computadores e informação sobre as plataformas digitais para o exercício da cidadania.
“Hoje, é possível fazer representações por intermédio de portais governamentais; ter documentos oficiais, como a Carteira Nacional de Habilitação e o Título Eleitoral, num aplicativo de celular, e uma infinidade de outras ações. Não podemos deixar nossos idosos excluídos”, pontuou o deputado.

Outras matérias