Projeto EscoLar leva nova metodologia de desenvolvimento pedagógico domiciliar para os pais, em tempos de pandemia

O serviço tem ensino personalizado e bilíngue para pequenas turmas

A crise mundial com o Coronavírus mudou a rotina das famílias, especialmente as que têm filhos pequenos, que já frequentavam escola e precisaram se adaptar ao estudo em casa, o chamado homeschooling. Pensando nisso e nas dificuldades enfrentadas por alguns pais nessa situação, e para manter o desenvolvimento pedagógico das crianças, o que é fundamental para um bom desempenho das séries seguintes, foi criado o Projeto EscoLar, pela especialista em educação, Dayana Andrade, para atender crianças de 2 a 5 anos.

De acordo com Dayana, a modalidade funciona levando o aluno ao protagonismo do seu processo de aprendizagem, de maneira ativa, respeitando e desenvolvendo suas habilidades. Além disso, as aulas são realizadas em 80% inglês e 20% português. A especialista é também proprietária de uma escola de reforço, e afirma que o diferencial do Projeto EscoLar em relação à escola tradicional, é o respeito pelo desenvolvimento de cada aluno, como indivíduo único.

“As crianças possuem habilidades próprias, inserimos o ensino gamificado, que desperta motivação, foco, concentração, raciocínio lógico e autonomia”, explica. Outro ponto positivo, segundo Dayana, é que o professor também é melhor capacitado, o que influencia diretamente na qualidade da educação.

Um dos adeptos à modalidade, Fellipe Bayeh, decidiu testar o método com o filho Pedro Bayeh, de 4 ano, e tem gostado muito do resultado. Ele afirma que é uma ótima opção, principalmente para ajudar os pais que estão com dificuldades com o ensino à distância, ainda mais com crianças muito pequenas, e ainda consegue manter o desenvolvimento pedagógico.

“A professora do meu filho é bilíngue, ele já estudava em uma escola com esse método. Ela vem duas vezes por semana, e o bom é que pode atender pequenas turminhas da região, que podem ter de um a quatro alunos. Assim, a atenção é personalizada para as necessidades das crianças. A professora consegue trabalhar muito melhor do que em uma escola convencional, onde são 25, 30 alunos para uma professora e, às vezes, uma assistente”, relata.

As aulas podem ser realizadas em dois horários, pela manhã, de 8h às 12h, ou na parte da tarde, de 14h às 18h. Quanto ao investimento, depende da quantidade de alunos. O valor inicial é de R$ 1.500,00 e pode chegar a R$ 1.000, com quatro alunos.

Mais informações sobre o projeto podem ser encontradas pelo site http://escolar.education/. Tem ainda o instagram @escolar.education, onde podem ser encontradas mais detalhes.

Outras matérias

Meio Ambiente:Hospitais recebem doação de 400 mil copos descartáveis

Os hospitais públicos do Distrito Federal terão, a partir desta segunda-feira (10), 400 mil copos descartáveis para uso dos profissionais de saúde. A doação foi feita pelas empresas Copak e Suzano Celulose ao Governo do Distrito Federal (GDF). Os copos são produzidos com o Bluecup – o primeiro papel cartão brasileiro para copos. Totalmente recicláveis […]

Especialista fala sobre dificuldades comuns no aleitamento materno

A amamentação é fonte de benefícios para crianças e mães, além de ser ambientalmente segura e natural, mas há algumas dificuldades comuns entre elas no início desse processo. A coordenadora da assistência em aleitamento materno do Banco de Leite Humano (BLH) do Instituto Nacional de Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente Fernandes Figueira (IFF/Fiocruz) […]