Presidente do Chile condena violência policial em protestos

O presidente do Chile, Sebastián Piñera, fala à imprensa, no Palácio do Planalto

O Presidente do Chile, Sebastián Piñera, condenou ontem (17) pela primeira vez, os abusos cometidos pelas autoridades nas manifestações que agitam o país sul-americano há um mês, e garantiu que “não haverá impunidade”.

“Infelizmente, e apesar de todas as precauções que tomamos para proteger os direitos humanos de todos, em alguns casos os protocolos não foram respeitados. Houve uso excessivo da força, cometeram-se abusos e os direitos de todos não foram respeitados”, reconheceu Sebastián Piñera.

A crise social sem precedentes que abala o Chile desde 18 de outubro deixou pelo menos 23 mortos e mais de 2 mil feridos, incluindo 200 pessoas com lesões oculares.

“Não haverá impunidade, nem para aqueles que cometeram atos de violência excecional, nem para aqueles que cometeram abusos”, acrescentou o chefe de Estado, referindo-se, por um lado, à destruição feita pelos manifestantes mais radicais e, por outro, à violência da polícia durante as manifestações.

O presidente chileno expressou também solidariedade com todas as pessoas que foram “vítimas desta violência” e apresentou condolências aos familiares das vítimas.

Até o momento, das 23 mortes, seis são referentes a cidadãos estrangeiros e cinco ocorreram devido à intervenção das forças do Estado, entre polícias e militares.

De acordo com o Instituto Nacional de Direitos Humanos (INDH) do Chile, há pelo menos 2.381 feridos dos quais 1.360 foram baleados.

Para o INDH, os casos mais preocupantes dizem respeito às lesões oculares resultantes de munições não letais.

Piñera referiu-se ainda ao acordo para uma nova Constituição aprovado no Parlamento na madrugada de sexta-feira (15) que marca o caminho para uma nova Magna Carta.

“Se os cidadãos assim o decidirem, avançaremos para uma nova Constituição, a primeira elaborada em plena democracia e respeitada por todos”, explicou Piñera, já que a atual é herdada da ditadura de Augusto Pinochet (1973-1990).

O Presidente disse esperar que a nova Constituição, caso a população vote a favor da sua redação, dê “legitimidade e estabilidade” a um novo e necessário pacto social, já que, segundo Piñera, o atual foi o detonador da explosão social.

As manifestações no Chile surgiram inicialmente em protesto contra um aumento do preço dos bilhetes de metro em Santiago, decisão que seria suspensa e posteriormente anulada pelo Governo liderado pelo Presidente chileno.

Apesar do recuo das autoridades, as manifestações e os confrontos prosseguiram devido à degradação das condições sociais e às desigualdades no país.

 

Outras matérias

BSB: Campeonato de Jiu-Jitsu reúne os melhores atletas

Foto: Vinícius Melo/Agência Brasília Governador em exercício Paco Britto premia campeões e fala sobre a importância do esporte na vida dos jovens Um público entre duas a três mil pessoas lotou o Ginásio de Esportes do Cruzeiro, no Cruzeiro Novo, neste domingo (8), durante o Campeonato Brasiliense de Jiu-Jitsu, intitulado Distrito Federal Open International 2019, […]

“O campo liberal é o campo que pode mudar o Brasil”, diz João Doria

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), defende o campo liberal para promover mudanças e o desenvolvimento do País. “Entendemos que o campo liberal é o campo que pode mudar o Brasil, na geração de empregos e oportunidades”, afirmou ele nesta manhã em Brasília no congresso do partido. Doria negou que haja um aceno […]

GDF: Mais um passo na produção de energia limpa no DF

Usina fotovotaica é inaugurada em São Sebastião. Consolidação da matriz energética é uma das metas do Plano Estratégico 2019-2060 Diversificar a matriz energética do Distrito Federal é fundamental para garantir o futuro e a qualidade de vida dos brasilienses. Nesse sentido, o Governo do Distrito Federal (GDF) vem apoiando a geração de energia limpa, como […]