O Paquistão rejeita a “bifurcação” do território de Jammu e Caxemira ocupado pela Índia

O Paquistão rejeita a bifurcação do território de Jammu e Caxemira ocupado pela Índia em dois territórios da União. A mudança de status do território de Jammu e Caxemira ocupado pela Índia é uma violação das resoluções do Conselho de Segurança das Noções Unidas e dos acordos bilaterais entre o Paquistão e a Índia, principalmente o Tradado de Simla.O território de Jammu e Caxemira ocupado pela Índia é internacionalmente reconhecido como uma região disputada. Nenhuma ação do governo indiano pode mudar este fato. Essas mudanças são ilegais e inválidas de acordo com as resoluções do CSNU, e não podem contestar o direito à autodeterminação do povo de Jammu e Caxemira.O Paquistão ressalta que asmedidas anunciadas pela Índia no dia 5 de agosto de 2019 foram impostas sobre o povo do território de Jammu e Caxemira ocupado pela Índia por meio de violência, tornando a região em uma prisão com mais de 900,000 integrantes das forças de segurança da Índia. Líderes políticos, membros da sociedade civil, e pessoas comuns incluindo mulheres e crianças pequenas permanecem sob detenção ilícita.

Uma cortina de ferro se mantém sobre mais de 8 milhões de caxemires, impedindo comunicação com o resto do mundo. O toque de recolher permanece em vigor e a circulação das pessoas foi restringida. Muitas pessoas, particularmente mulheres e crianças, são continuamente abusadas e torturadas pelas forças de ocupação da Índia.As medidas ilegais e unilaterais impostas pela Índia não são um “assunto interno” já que a disputa por Jammu e Caxemira continua na pauta do Conselho de Segurança.

Ademais, ao contrário das alegações falsas das autoridades indianas, o objetivo dessas medidas ilegais referentes ao território de Jammu e Caxemira ocupado pela Índia não é o desenvolvimento da região, nem o bem-estar do povo caxemire. O seu real motivo é alterar a estrutura demográfica deste estado com maioria muçulmana em prossecução da ideologia “Hindutva”.

A comunidade internacional deve observar que a transferência de civis de fora para dentro do território de Jammu e Caxemira ocupado pela Índia é uma grave violação das leis internacionais, principalmente a quarta Convenção de Genebra.O povo do território de Jammu e Caxemira ocupado pela Índia nunca irá aceitar esta ocupação ilegal e violenta. As medidas ilegais e unilaterais tomadas pela Índia só irão agravar a situação dos direitos humanos em Jammu e Caxemira e ameaçar a desestabilização da paz, segurança e estabilidade na região do Sul da Ásia assim como no mundo.

A Índia deve cessar o seu tratamento brutal de camires inocentes que vêm sofrendo sob a sua ocupação ilegal nas ultimas sete décadas. A Índia deve imediatamente retirar as suas forças militares da região, remover suas leis draconianas, restaurar os direitos humanos do povo, libertar todos aqueles detidos, levantar as restrições sobre livre circulação e comunicação, permitir acesso total e livre à Organização das Nações Unidas e outros observadores internacionais de direitos humanos, incluindo organizações estrangeiras de mídia independente.

É imperativo que a Índia implemente as resoluções do Conselho de Segurança das Nações Unidas referentes ao direito dos caxemires à autodeterminação, sem mais abusos.O Paquistão irá continuar a estender o seu apoio moral, político e diplomático aos seus irmãos e irmãs caxemires que estão sofrendo até a realização do seu direito inalienável à autodeterminação conforme as resoluções do Conselho de Segurança das Nações Unidas.Com informações direto;Islamabad
31 de outubro de 2019.

Outras matérias

Exposição de arte Naif antecipa a consolidação de museu a céu aberto em Brasília.

No próximo dia 5 de dezembro o brasiliense poderá conhecer parte do acervo que integrará o Espaço Barthô-Naif, ambicioso projeto de ocupação artística que está sendo implantado às margens do Rio São Bartolomeu. Num momento em que o museu da arte Naif do Brasil, localizado no Rio de Janeiro, está fechado por falta de recursos, […]

Novembro Azul: exames não são um teste de masculinidade e sim um ato a favor da saúde

Durante o mês de novembro o movimento Novembro Azul é realizado com o objetivo de conscientizar a população masculina, sobre a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de próstata. O câncer de próstata é o segundo tipo de câncer mais comum entre os homens brasileiros, principalmente os com faixa etária após os […]

Politica: Esquerdopatas querem a baderna do Chile aqui

O deputado federal Marco Feliciano (Podemos-SP) é um dos mais ferrenhos defensores do presidente Jair Bolsonaro, integra a bancada evangélica e politicamente se situa na extrema direita. Pastor da Catedral do Avivamento, uma igreja pentecostal ligada à Assembleia de Deus, Feliciano diz estar convencido de que há “um complô para derrubar Bolsonaro”, tendo como pano […]