Golpe de hackers no WhatsApp: desinstalar o app deixa o celular mais seguro?

WhatsApp
Image caption Especialistas acreditam que não basta desinstalar o aplicativo para aumentar a segurança dos aparelhos

Com a confirmação oficial do WhatsApp de que o aplicativo foi usado para instalar um programa espião em celulares, muitos passaram a cogitar apagar o popular aplicativo de mensagens. Mas especialistas afirmam que o caminho não é esse.

A invasão gerou indignação e preocupação ​​em diversos países, parte direcionada a políticos, já que o grupo acusado de criar o programa espião, o NSO Group, supostamente vende apenas para governos.

Acionada na Justiça pelo WhatsApp, a empresa sediada em Israel nega as acusações.

Troca de aplicativo

Depois do escândalo de privacidade, usuários passaram a avaliar trocar o aplicativo de troca de mensagens por outros supostamente mais seguros, como Signal ou Telegram.

Mas especialistas dizem que o WhatsApp, aplicativo do Facebook usado por aproximadamente 1,5 bilhão de pessoas em 180 países, está sofrendo o impacto de uma invasão de hackers que não é inteiramente culpa dele.

Embora uma vulnerabilidade no recurso de chamada de vídeo do aplicativo permita que o programa espião continue agindo sem a intervenção do usuário, o controle indesejável do telefone também foi assumido por causa de brechas nos sistemas operacionais do próprio aparelho.

“As vulnerabilidades que o spyware explorava estavam no nível do sistema operacional, seja Android ou Apple”, explica Vinay Kesari, advogado de tecnologia especializado em privacidade.

Segundo o especialista em tecnologia Prasanto K. Roy, se o aparelho estiver infectado, “tudo o que for legível ou mesmo o que vier por meio da câmera ou do microfone estará em risco”.

WhatsAppDireito de imagemGETTY IMAGES
Image captionWhatsApp é usado por 1,5 bilhão de pessoas ao redor do mundo

O WhatsApp afirma ser um aplicativo de comunicação “seguro” porque as mensagens são criptografadas de ponta a ponta. Isso significa que eles devem ser exibidos de forma legível somente no dispositivo do remetente ou do destinatário.

“Nesse caso, não importa se o aplicativo está criptografado de ponta a ponta ou não — uma vez que o programa espião está no seu telefone, os hackers conseguem ver o que está no seu telefone da mesma foram que você o vê — isso já está descriptografado e de forma legível nesta fase”, afirmou Kesari.

“Você também pode ter desbloqueado o seu telefone”, acrescentou. “Mas, o mais importante, é que essa violação mostra o quão vulneráveis ​​são os sistemas operacionais.”

Trocar para o Signal, conhecido pelo seu código-fonte aberto, significa que seu telefone estaria melhor protegido contra spyware?

Não necessariamente, dizem os especialistas.

“Com o Signal, há uma camada adicional de transparência porque eles liberam seu código para o público. Portanto, se você é um codificador sofisticado e a empresa diz que corrigiu um bug, você pode acessar o código e ver por si mesmo”, explica Kesari. “Mas isso não significa que o aplicativo tenha uma camada adicional de proteção contra esses ataques.”

Prasanto K. Roy disse à BBC que o ataque foi além do aplicativo.

“Para aqueles com aparelhos invadidos, todas as informações ficaram sob risco, não apenas o WhatsApp.”

Tablet bloqueado, com um símbolo de cadeado na telaDireito de imagemGETTY IMAGES
Image captionTirar os backups de conversa da nuvem é outra forma de se proteger

O WhatsApp lançou atualizações do aplicativo para eliminar as brechas. Entre outras dicas de segurança, especialistas recomendam também que as conversas não fiquem na nuvem, com backups automáticos e que seja adotada a autenticação de dois fatores.

Quem está por trás do programa espião?

O Grupo NSO é uma empresa israelense que foi identificada no passado como “traficante de armas cibernéticas”.

Seu principal programa, o Pegasus, pode coletar dados privados de um dispositivo, incluindo o que o microfone e a câmera do dispositivo captam, assim como sua localização.

Em comunicado, a NSO disse que é “uma empresa de tecnologia registrada e autorizada por agências do governo com o único objetivo de combater o crime e o terrorismo”.

“A empresa não opera os sistemas que fornece e, após um rigoroso processo de seleção, são as agências de inteligência e de polícia que determinam como usam a tecnologia para apoiar suas missões de segurança pública.”

“Investigamos denúncias plausíveis ​​de uso indevido e, se necessário, agimos, incluindo a possibilidade de cancelar o sistema”, acrescentou.

“Sob nenhuma circunstância a NSO estaria envolvida na operação ou na identificação de alvos para sua tecnologia, que é operada exclusivamente por agências de inteligência e segurança, a NSO não usaria ou não poderia usar sua tecnologia unilateralmente contra qualquer pessoa ou organização.”

Outras matérias

Disseminação de fake news sobre coronavírus preocupa especialistas

Maior parte das informações erradas se refere à prevenção; Por Vinícius Lisboa – Repórter da Agência Brasil – Brasília Desde o fim de janeiro, o serviço do Ministério da Saúde que combate a disseminação de notícias falsas já refutou dezenas de mentiras que circulam na internet sobre o novo coronavírus. Entre textos, imagens e vídeos, […]

Carnaval da terceira idade: Serviço de Convivência realiza festa temática para os idosos

Para comemorar o feriado prolongado de carnaval, o Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (SCFV) Núcleo Idoso, realizou celebração de carnaval entre a equipe e os usuários dos serviços da unidade. Em ritmo de festa, os idosos festejaram durante a manhã da última sexta-feira (21/02), a pausa entre as atividades do SCFV e o […]

Variedade: O Professor, Mestre e Doutorando em Visagismo Digital – PUC/SP, foi o escolhido pela CNN

Em agosto de 2019 foi anunciada a chegada do maior canal de notícias do mundo ao Brasil. A CNN Brasil, que tem sua estreia prevista para março deste ano, incluiu uma consultoria Visagista completa para os 48 jornalistas que estarão à frente das câmeras da emissora em sua estratégia de negócios. Os profissionais escolhidos para este […]