GDF: Bolsa Atleta faz a diferença para esportistas do Distrito Federal

As inscrições para o programa estão abertas até o dia 11 de novembro e devem ser feitas pelas federações

Ângela Lavalle conta com dois apoios fundamentais, o Bolsa Atleta e o Compete Brasília. Foto: Divulgação

As inscrições para o Bolsa Atleta 2020 já abriram e podem ser feitas até o dia 11 deste mês. O Bolsa Atleta é um programa de patrocínio individual de atletas e paratletas de alto rendimento que obtêm bons resultados em competições nacionais e internacionais de sua modalidade.

Até o dia 11 deste mês, as federações deverão encaminhar à Secretaria de Esporte e Lazer a documentação relativa aos seus indicados. A próxima fase deve ser feita pelos atletas. Eles deverão comparecer até o dia 18 de novembro para apresentação do Ofício de Indicação e a documentação complementar necessária. São 224 vagas e os valores do Bolsa Atleta variam de R$ 180,00 a R$ 3.300 mensais.

O programa auxilia na rotina de um atleta de alto rendimento, que não é fácil e exige muita dedicação e treinamento. E todo este apoio, aliado ao esforço do atleta, aparece em resultados positivos. Neste ano, por exemplo, Ângela Lavalle (DF) conquistou – ao lado de Carol Horta (CE) – a medalha de bronze no vôlei de praia nos Jogos Pan-Americanos de Lima. Um momento muito importante para a carreira da atleta. “Eu considero que este foi um dos melhores resultados da minha história como atleta profissional. A gente batalhou muito por este resultado”, comentou Ângela.

Ângela e Carol Horta atuam juntas desde fevereiro de 2018. Elas treinam separadas e se encontram dias antes das partidas oficiais.  E, apesar da distância geográfica, têm conquistado bons resultados. “Durante a minha carreira eu sempre joguei mais com parceiras de fora do Distrito Federal. Não é uma situação fácil. Mas a gente supre essa dificuldade dentro da quadra”, conta a atleta brasiliense.

“Este ano tem mais uma etapa do Open Nacional, em 19 de novembro, em Ribeirão Preto (SP). O circuito termina em abril. Nas primeiras três etapas, a gente terminou em quarto ou quinto lugar. Em 2020, queremos focar mais em pódio e manter a regularidade”, disse. Na última etapa, realizada em outubro, em Cuiabá, a dupla  terminou a competição em quarto lugar.

Apoios
Por conta dos deslocamentos para participar das competições, Ângela conta com dois apoios fundamentais: o Bolsa Atleta e o Compete Brasília.  “Eu já recebo o Bolsa Atleta há muitos anos, desde 2011. A ajuda mensal é fundamental. Sem o programa seria muito difícil me manter no alto rendimento. Com esse dinheiro consigo manter minha estrutura de treino, a suplementação, ter uma alimentação balanceada. Nas viagens, a bolsa também ajuda a pagar a hospedagem e a manter uma boa alimentação. Não tenho patrocínio, tenho apoio de alguns amigos, como dentista, nutricionista, médico do esporte. Então, o Bolsa Atleta é o único patrocínio que eu tenho”, disse. Ângela recebe o Bolsa Atleta na categoria Internacional.

Segundo o secretário de Esporte e Lazer, Leandro Cruz, o programa é um apoio aos atletas que têm condições de representar o Distrito Federal em competições oficiais. “O Bolsa Atleta é um programa de alto rendimento. A gente precisa entender muito bem isso, o que é esporte de participação, o que é esporte social, o que é esporte de rendimento e de alto rendimento. O Bolsa Atleta e o Compete Brasília são para esportes de rendimento. É para formação de atleta que quer seguir em uma carreira esportiva. O Bolsa Atleta é bastante fechado, ele já tem os critérios definidos em lei”, explica.

Início da carreira
A trajetória esportista de Ângela começou muito cedo. Ainda jovem, na escola, ela participava de jogos com os colegas de classe. E, aos 12 anos de idade, aconteceu a primeira convocação para a seleção do DF. “Eu joguei muito pela escola, em Taguatinga. Foi aí que percebi que tinha aptidão para a modalidade. Eu joguei vôlei de quadra até os 19 anos. Em 2001, comecei a disputar competições no vôlei de praia”, contou.

A atleta conquistou vários títulos: medalha de ouro no evento Teste Olimpíada de Londres, em 2011; o SuperPraia, em 2015-2016 e a etapa do Chile do Circuito Sul-Americano de Vôlei de Praia, também em 2015-2016.

Bolsa Atleta

As modalidades olímpicas que fazem parte  do programa são:

  • Atletismo
  • Basquete
  • Ciclismo
  • Ginástica Olímpica
  • Ginástica R. Desportiva
  • Handebol
  • Hipismo
  • Iatismo
  • Judô
  • Natação
  • Saltos Ornamentais
  • Taekwondo
  • Tênis de Mesa
  • Tênis de quadra
  • Triathon
  • Vôlei

Modalidades Paralímpicas:

  • Atletismo
  • Basquete em cadeira de rodas
  • Paradminton
  • Futsal
  • Futebol de Campo
  • Vela adaptada
  • Vôlei sentado
  • Vôlei de surdos
  • Tiro com arco
  • Futebol de 7
  • Futebol de 5
  • Goalball
  • Tênis de mesa
  • Tênis em cadeira de rodas
  • Bocha
  • Rúgbi
  • Ciclismo
  • Hipismo
  • Natação
  • Remo

Mais informações sobre o programa aqui.

Outras matérias

Brasília terá a Conferência Nacional da Advocacia Brasileira

Em 2020 a capital federal completará 60 anos e vai receber pela primeira vez o maior encontro jurídico do Brasil De 16 a 18 de novembro de 2020 Brasília receberá a XXIV Conferência Nacional da Advocacia Brasileira. Promovido pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e lançado oficialmente essa semana durante reunião ordinária do Conselho […]