Consciência Negra: ‘África pode ajudar Brasil a lidar com racismo’, diz embaixadora que atua há 3 décadas no continente

Retrato de Irene Vida GalaDireito de imagem VINICIUS MENDES-Ainda vivemos no Brasil o impacto do tráfico de escravos 400 anos depois, diz Irene Vida Gala

“A escravidão permanecerá por muito tempo como a característica nacional do Brasil”, porque “seu contato foi a primeira forma que recebeu a natureza virgem do país, e foi a que ele guardou”.

Assim sentenciou, em 1900, mais de uma década depois da Lei Áurea, o escritor pernambucano Joaquim Nabuco — que tinha ficado ao lado dos abolicionistas — no capítulo Massangana de seu livro Minha Formação.

Mais de um século depois, a percepção de Nabuco segue viva: o jornalista Laurentino Gomes, por exemplo, que acabou de lançar Escravidão (Globo Livros, 2019), costuma dizer que o Brasil ainda não fez a “segunda abolição” — e nisso ganha o coro de uma das duas pessoas que revisaram a obra: a embaixadora Irene Vida Gala, que chefiou a representação brasileira em Gana entre 2011 e 2016 e atuou por três décadas em missões em Angola, África do Sul, Senegal, Guiné-Bissau, além de dirigir a Divisão de África II (África Austral e lusófona) do Itamaraty entre os governos de Fernando Henrique Cardoso e Luiz Inácio Lula da Silva.

Para ela, a “segunda abolição” só terá condições de acontecer quando o Brasil modificar também a maneira como olha para o continente africano. “Normalmente a gente pergunta: ‘O que podemos fazer pela África?’. E eu não quero isso, mas quero pensar o que a África pode fazer pelo Brasil”, diz ela.

Atual subchefe do Escritório de Representação do Ministério das Relações Exteriores em São Paulo, ela também é autora de Política Externa como Política Afirmativa – Projeto e Ação do Governo Lula na África 2003 – 2006 (EdUFABC, 2019).

Outras matérias

17ª edição da Mostra Bring ocupa Brasília e promove acessibilidade

Mais de 20 jogos independentes serão disponibilizados para o público da cidade testar e jogar, sem parar. Evento acontece no dia 6 de dezembro. Entrada gratuita. No Distrito Federal o mercado de jogos independente já fez história. Prova disto, desde 2014 a Mostra Bring (Brasília Indie Games) coloca o público diretamente em contato com desenvolvedores […]