Saúde: CEO da Backer pede para não consumirem Belorizontina de nenhum lote

 Backer,cerveja artesanal, Belo Horizonte

Ministério da Agricultura já tinha mandado retirar cervejas do mercado

Por Marcelo Brandão – Repórter da Agência Brasil  Brasília

CEO da cervejaria Backer, Paula Lebbos

A diretora executiva da cervejaria Backer, Paula Lebbos – Divulgação Rede Minas/TV Brasil

Pelo menos uma pessoa morreu e outras foram internadas depois de tomar a cerveja. Dez pessoas foram intoxicadas. A morte de outra pessoa, ocorrida em 28 de dezembro, está sendo investigada como uma possível intoxicação pelo consumo da Belorizontina. “O que preciso agora é que não bebam Belorizontina, quaisquer que sejam os lotes, por favor. Quero que meu cliente seja protegido. Não sei o que está acontecendo”, disse Paula, em entrevista coletiva na manhã desta terça-feira, em Belo Horizonte.

A diretora executiva da Backer afirmou que a substância dietilenoglicol, suposta responsável pelo envenenamento, não é usada no processo de fabricação de suas cervejas. Em seguida, disse que aguarda os resultados das análises do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e da Polícia Civil.

Ontem (13) o ministério determinou que a Backer retire de circulação todas as suas cervejas e chopes produzidos desde outubro do ano passado até agora. A cervejaria está interditada, por ordem do ministério. “A Backer quer facilitar para que [o problema] seja solucionado o mais breve possível, para que a nossa fábrica seja liberada, até porque os funcionários precisam trabalhar, e minha família também depende dessa empresa”, disse a executiva.

A Backer produz cervejas em 70 tanques de 18 mil litros cada. A Belorizontina é produzida em apenas um desses tanques, o número 10. Questionada pelos jornalistas, Lebbos disse que vai procurar as vítimas e suas famílias para “oferecer qualquer tipo de ajuda que elas precisarem”. Ela afirmou que não está preocupada com o prejuízo financeiro e sim com o mercado de cervejas artesanais e com os clientes.

“O que nos preocupa muito é o prejuízo em relação à nossa marca e ao mercado cervejeiro artesanal. Eu tenho certeza [de] que o que diz respeito ao [aspecto] financeiro será superado. O que a gente não quer é que clientes que tomam a nossa cerveja sejam prejudicados”, acrescentou.

Edição: Nádia Franco

Outras matérias

Solidariedade:Grupo de motociclistas doa sabonetes para campanha solidária da Caesb

A união de motociclistas do Distrito Federal vai ajudar no combate à pandemia do novo coronavírus. O grupo Loucos do Cerrado doou 1.000 sabonetes para reforçar a campanha solidária da Companhia de Saneamento Ambiental do DF (Caesb) que, desde maio, arrecada itens de higiene pessoal para ajudar famílias e instituições em situação de vulnerabilidade social. […]

Internacional:Doadores prometem ajuda humanitária “importante” ao Líbano

Potências mundiais concordaram neste domingo (9) em fornecer “recursos importantes” para ajudar Beirute a se recuperar da enorme explosão que destruiu partes da capital libanesa, prometendo não decepcionar o povo do país. A “assistência deve ser oportuna, suficiente e consistente com as necessidades do povo libanês e entregue diretamente à população libanesa, com máxima eficiência e […]

‘Ele jamais comprará a educação e o respeito pois isso vem de berço’, desabafou mãe do entregador humilhado

Matheus Pires foi vítima de racismo pelo contabilista Mateus Abreu Almeida Prado Couto e vídeo das ofensas viralizou na internet Nesta sexta-feira (7), um vídeo viralizou nas redes sociais, onde mostra Mateus Abreu Almeida Prado Couto, humilhando o motoboy Matheus Pires, em seu condomínio, na cidade de Valinhos, São Paulo. Após o vídeo se tornar viral, […]