Cantora portuguesa Carminho lança “Maria” no Centro de Convenções Ulysses Guimarães

Carminho é uma das artistas portuguesas com maior projeção internacional. Ela desembarca em Brasília em 28 de novembro com o seu mais recente trabalho: “Maria”. A cantora nasceu no meio das guitarras e das vozes do fado, filha da conceituada fadista Teresa Siqueira, e fez sua estreia em público aos 12 anos, no Coliseu de Lisboa. O fado sempre esteve tão presente em sua vida, que Carminho nunca pensou que cantar viesse a ser a sua profissão. Durante a faculdade cantava em casas de fado e foram várias as propostas para gravar, mas decidiu esperar. Formou-se em Marketing e Publicidade e percebeu que cantar exigia uma maturidade que ainda não tinha.

Depois do aplaudido álbum “Carminho Canta Jobim”, dedicado ao cancioneiro do nosso maestro Tom Jobim, com o qual veio ao Brasil para apresentar-se ao lado da Banda Nova, liderada por Paulo Jobim, a cantora portuguesa lança agora um projeto de novas canções.

“Maria” é o título que Carminho escolheu para o quinto álbum de sua carreira e o mais pessoal até aqui. Além de assinar a produção, Carminho inclui várias canções de sua autoria. Um diálogo constante, sempre sintonizado no respeito por tudo aquilo que Carminho aprendeu, respeitando a verdade das palavras e da linguagem tradicional mas, ao mesmo tempo, com um olhar livre e contemporâneo sobre o mundo que a inspira, reinterpretando muito do que aprendeu com o fado desde pequena.

“A Tecedeira” tema de abertura do álbum, “Estrela”, “A Mulher Vento” e “Poeta”, foram compostas, letra e música, por Carminho. A fadista assina ainda as letras de “Se Vieres”, que canta na melodia tradicional do Fado Santa Luzia, de Armando Machado, e “Desengano”, que gravou no Fado Latino, de Jaime Santos.

Outros compositores do álbum são Joana Espadinha, que assina letra e música de “O Menino e a Cidade” e “As Rosas”, e Pedro Homem de Mello, de quem canta “O Começo”, no Fado Bizarro, de Acácio Gomes. Carminho resgatou ainda um tema do repertório de António Calvário, “Pop Fado”, de César Oliveira e Fernando Carvalho, e “Sete Saias”, com letra e música de Artur Ribeiro. Carminho também toca guitarra em “Estrela”.

Carminho iniciou a carreira fonográfica em 2009 com “Fado”, apesar de já cantar antes disso, na casa de fados da mãe, a fadista Teresa Siqueira, e em alguns espetáculos no Casino Estoril e no Baixo Alentejo.

Ao longo da sua carreira, a fadista tem gravado com artistas como Chico Buarque, Milton Nascimento, Marisa Monte, Ney Matogrosso e Nana Caymmi, Maria Bethânia, além do espanhol Pablo Alborán.

 

Outras matérias

Internacional:Cães são usados para detectar coronavírus em aeroporto na Finlândia

Cães treinados para detectar o novo coronavírus começaram a farejar alguns passageiros no aeroporto de Helsinque-Vanda nesta semana, em um projeto piloto utilizado conjuntamente com exames convencionais.  A eficiência dos cães não foi comprovada em estudos científicos comparativos, por isso os passageiros que se oferecem para ser testados e são suspeitos de portar o vírus são […]

Internacional:Premiê do Japão dirá à ONU que quer realizar Olimpíada em 2021

O primeiro-ministro do Japão, Yoshihide Suga, deve dizer à Assembleia-Geral das Nações Unidas nesta sexta-feira (25) que seu país está determinado a realizar em 2021 a Olimpíada de Tóquio, adiada devido à pandemia de coronavírus, como mostrou o esboço de um discurso. Os jogos foram marcados originalmente para o verão no Hemisfério Norte deste ano, […]

Celebridade:Felipe Neto agradece aos pais após entrar na lista de 100 mais influentes do mundo da ‘Time’

‘Eles poderiam ter me forçado desistir da luta por medo. Mas o que eles me deram foi força’, comentou o influenciador digital após publicação da edição 2020 de lista da revista. Felipe Neto usou as redes sociais para comentar a inclusão de seu nome na lista das 100 pessoas mais influentes do mundo em 2020 elaborada […]