Brasília discute formas de fomentar turismo por meio do seu Patrimônio

Brasília 27.08.2019//Monumento Dois Candangos na Praça dos Três Poderes.Foto Luís Tajes/Setur-DF

Secretária de Turismo participou do 6º Encontro Brasileiro das Cidades Históricas, Turísticas e Patrimônio Mundial

O Brasil possui 22 sítios patrimoniais pela Unesco, sendo que um deles é Brasília. Para que esse importante reconhecimento seja uma mola impulsionadora do turismo, a secretária de Turismo do DF, Vanessa Mendonça, participou do 6º Encontro Brasileiro das Cidades Históricas, Turísticas e Patrimônio Mundial e do Seminário Internacional Patrimônio + Turismo, promovido em Porto Alegre, entre os dias 23 e 25 de outubro.

“O uso consciente do Patrimônio Cultural de uma cidade ou país tem sido uma importante mola propulsora do Turismo no mundo inteiro, e nós, que fomos a cidade mais nova a ser reconhecida como um sítio patrimonial, não podemos perder essa oportunidade”, declarou a secretária de Turismo. De acordo com ela, Brasília está trabalhando para se beneficiar da melhor forma possível do Programa Patrimônio Mais Turismo, inserido na Política Nacional de Gestão Turística do Patrimônio Mundial Natural e Cultural, assinada pelo presidente Jair Bolsonaro em abril desse ano.

Os objetivos da gestão turística do Patrimônio Mundial estão o apoio à preservação e promoção dos sítios; a valorização e fomento ao turismo, de forma sustentável, nessas localidades; o aprimoramento da gestão turística e da oferta de produtos e serviços turísticos associados aos Patrimônios Mundiais, como destinos patrimoniais de primeira ordem; entre outros.

Entre as estratégias que Brasília está elaborando para conseguir aquecer a economia e gerar emprego e renda por meio da gestão patrimonial, está a aproximação com Portugal, que conseguiu mudar a sua economia por meio da valorização do turismo. O país é considerado um case de sucesso quando o assunto é unir gestão patrimonial com gestão turística. “Vamos criar com Portugal e com o Iphan uma política de valorização do patrimônio”, informou Vanessa Mendonça.

Para a presidente do Iphan, Kátia Bogéa, a melhor maneira de impulsionar o turismo sustentável em Brasília é exatamente qualificar aquilo que a distingue das demais cidades. “Trata-se da capital nacional, da cidade planejada reconhecida internacionalmente e da cidade monumento da arquitetura do Século XX. Não é necessário inventar nada, mas sim cuidar, conservar e valorizar o que ela já tem”, afirmou.

O consultor da CNM Mário Nascimento destacou que Brasília é a capital do Brasil e movimenta fortemente a governança pública e privada, agregando ainda milhares de eventos que ocorrem anualmente na cidade.  “É chegada a hora de um despertar para um novo olhar ao seu patrimônio histórico e cultural, o qual será capaz de incluir fortemente o turismo como alternativa indispensável ao desenvolvimento econômico  e social sustentável”, frisou.

.O 6º Encontro Brasileiro das Cidades Históricas, Turísticas e Patrimônio Mundial e do Seminário Internacional Patrimônio + Turismo foi realizado pela Confederação Nacional de Municípios (CNM), em parceria com a Organização das Cidades Brasileiras do Patrimônio Mundial (OCBPM) e com o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

Outras matérias

BSB: Hran ganha aparelho para auxiliar exames de fissurados

Crianças com fissura labiopalatina atendidas na unidade serão beneficiadas pelo equipamento doado pelo Rotary Clube Um novo equipamento que vai auxiliar na realização dos exames de crianças com fissura labiopalatina chegou ao Hospital Regional da Asa Norte (Hran), unidade referência neste tipo de atendimento. O aparelho, de última geração, chamado de nasofibroscópio, possui uma fibra […]

Moro é aprovado por 53% dos brasileiros, aponta pesquisa Datafolha

Pesquisa Datafolha divulgada nesta segunda-feira, 9, indica que o ministro da Justiça, Sérgio Moro é conhecido por 93% dos brasileiros e aprovado por 53% deles. Neste domingo, o mesmo instituto divulgou pesquisa de avaliação do presidente da República, Jair Bolsonaro, indicando que a aprovação o mandatário é bem mais modesta, de 30%. Depois de Moro, […]