Brasil vai isentar chineses de visto para entrar no país

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) afirmou nesta quinta-feira (24) que vai isentar os chineses de visto para entrar no Brasil para turismo ou negócios.

 A princípio, não haverá reciprocidade. A medida já foi anunciada para Estados Unidos, Japão e Canadá. O próximo país deve ser a Índia.

Segundo o chanceler Ernesto Araújo, ainda não há prazo, porque deve haver forte demanda. A China possui uma população de cerca de 1,39 bilhão de pessoas.

Hoje os chineses que querem viajar ao país precisam recorrer a um dos três consulados que o Brasil tem na China, localizados em Pequim, Xangai e Cantão.

A medida foi anunciada primeiramente a “pesos pesados” da indústria da China. Bolsonaro se reuniu em Pequim com 19 presidentes de grandes companhias chinesas de setores como varejo, aviação, infraestrutura, agrícola e entretenimento.Entre eles, estavam Wang MingQiang, CEO do Alibaba, Feng Yong Fang, presidente do Grupo de Investimentos CRCC (infraestrutura), e Yu Songho, presidente do HeRun Group, um dos maiores importadores de soja do país.

O encontro foi organizado pelo presidente da Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo), Paulo Skaf, que convidou companhias com as quais a entidade mantém relações.

Bolsonaro também aproveitou a oportunidade para frisar aos chineses que agora, após a aprovação da reforma da Previdência, o Brasil está “solvente”, o que dará previsibilidade aos seus negócios.

A reunião foi bastante protocolar e durou cerca de meia hora. Os empresários chineses apresentaram seus negócios e falaram sobre seu desejo de investir no Brasil.

A abertura de Bolsonaro ao investimento chinês representa uma importante mudança de postura em relação ao discurso adotado na campanha eleitoral. Na época, o então candidato chegou a afirmar que “a China não estava comprando no Brasil, mas comprando o Brasil”.

A extrema-direita brasileira, capitaneada por Olavo de Carvalho -conhecido como o “guru” de Bolsonaro-, não vê com bons olhos a aproximação entre Brasil e China.

Em janeiro deste ano, um comitiva de deputados visitou a China para conhecer os sistemas de segurança por reconhecimento facial do país e foi duramente criticada pelo escritor, que chamou os congressistas de “caipiras” e “semianalfabetos”.

Apesar da resistência de parte de seus eleitores, Bolsonaro tem adotado um tom pragmático e levado aos chineses a mensagem de que o Brasil está aberto a negócios.

A China é o maior parceiro comercial do Brasil. De janeiro a setembro, o intercâmbio comercial entre os dois países somou US$ 72,8 bilhões. Em 2018, foram US$ 98,8 bilhões -um recorde.

Outras matérias

Solidariedade:Grupo de motociclistas doa sabonetes para campanha solidária da Caesb

A união de motociclistas do Distrito Federal vai ajudar no combate à pandemia do novo coronavírus. O grupo Loucos do Cerrado doou 1.000 sabonetes para reforçar a campanha solidária da Companhia de Saneamento Ambiental do DF (Caesb) que, desde maio, arrecada itens de higiene pessoal para ajudar famílias e instituições em situação de vulnerabilidade social. […]

Internacional:Doadores prometem ajuda humanitária “importante” ao Líbano

Potências mundiais concordaram neste domingo (9) em fornecer “recursos importantes” para ajudar Beirute a se recuperar da enorme explosão que destruiu partes da capital libanesa, prometendo não decepcionar o povo do país. A “assistência deve ser oportuna, suficiente e consistente com as necessidades do povo libanês e entregue diretamente à população libanesa, com máxima eficiência e […]

Internacional: Procuradoria-Geral do Líbano ouve responsáveis pela segurança

O procurador-geral libanês, Ghassan al Khoury, ouviu hoje (10) os responsáveis pelos sistemas de segurança do Estado no âmbito do processo sobre as explosões no porto de Beirute, que deixaram 158 mortos e mais de 6 mil feridos.   Segundo a agência estatal de notícias ANN, Al Khoury já recolheu os testemunhos do diretor-geral do Serviço de Segurança do Estado, o general Tony […]