Aula-memória revive a inauguração de Brasília

Professores da rede pública de ensino têm aulas sobre a história da criação da capital do Brasil, com direito a usar trajes da época e assistir a documentários.

Cerca de 1.800 convites foram entregues. Mais de 30 eventos foram planejados para comemorar a inauguração de Brasília. A história da capital federal é contada para professores da rede pública de ensino do Distrito Federal. Vestidos a caráter, eles reviveram a reinauguração de Brasília (veja mais no vídeo abaixo).

A aula-memória, ministrada pela professora Denise Coelho, faz parte do Programa Educacional Distrito Federal: Seu Povo, Sua História. O curso é ministrado pelo Instituto Histórico e Geográfico do Distrito Federal (IHG-DF), em parceria com Secretaria de Educação do DF.

Memorial‌ ‌JK:‌ ‌38‌ ‌anos‌ ‌guardando‌ ‌o‌ ‌tesouro‌ ‌da‌ ‌história‌ ‌de‌ ‌Brasília‌

Fundadora do curso, a professora Cleusa Neves da Silva conta que a intenção é transmitir os conhecimentos adquiridos com os pioneiros de Brasília. “Percebemos que os próprios agentes de ensino tinham pouco conhecimento sobre a história de Brasília”, pontua.

“Essa aula é importante tanto para nós, que transmitimos a matéria, quanto para os professores. Precisamos estar sempre atentos, trazendo aulas diferentes para que eles consigam despertar o interesse dos alunos em sala de aula. É uma preocupação de mostrar ao professor como apresentar o conteúdo em sala de aula. É importante sair da mesmice para que os alunos prestem atenção”, frisa Cleusa.

| Foto: Renato Araújo / Agência Brasília

O resultado das aulas sobre a história da capital do Brasil pode ser surpreendente. A professora do Instituto Histórico e Geográfico do Distrito Federal (IHG-DF) relata que muitos professores ainda achavam que o hino de Brasília era o Capital da Esperança. “Mas ele não é mais o oficial”, destaca.

A carência de livros didáticos que falem sobre Brasília desperta o interesse dos professores para a capacitação. Professora na Escola Classe 04 do Cruzeiro, Fabiane Rios Gonçalves Batista diz que a qualificação é muito importante. “O curso foi uma necessidade. Não sou de Brasília, não conhecia nada sobre ela. E, de repente, estava na sala de aula”, observa.

O curso completa 25 anos em 2019. Serão 30 encontros, uma vez por semana, normalmente às terças-feiras. Com duração média de 180 horas, a aula-memória tem atividades que exploram desde a pré-história do DF até a atualidade, bem como abordam questões econômicas e socioeducativas. A intenção é ajudar os profissionais de ensino a encontrar material específico sobre a história e a geografia do DF.

| Foto: Renato Araújo / Agência Brasília

No transcorrer das aulas, os participantes têm a oportunidade de assistir a documentários sobre cinematografia na época da construção de Brasília e depoimentos de pioneiros, além das chamadas aulas-passeio, quando visitam monumentos como o Lago Paranoá, a Pedra Fundamental de Brasília, o Catetinho e a Casa da Fazenda Gama – esta, a primeira hospedagem do ex-presidente Juscelino Kubitschek e sua comitiva quando da primeira visita ao Planalto Central, em 1956.

A professora Alexsandra Andrade exalta a iniciativa. “Achei válido. A decoração e as roupas, os colegas vestidos à caráter nos ajuda no aprendizado porque nos remete àquela época. Nós tentamos nos colocar naquele momento. É como se estivéssemos lá. Todo esse conjunto mexe com nossa imaginação”, declara.

A professora Denise Coelho e mais três colegas – Ivana Caldeira, Otávio Oliveira e Luiz Gustavo Leonel – são os responsáveis por ampliar os conhecimentos dos alunos que visitam o local.

Outras matérias

BSB: Governo distribui 40 mil máscaras e conscientiza população sobre Covid-19

Ação se concentra nas quatro cidades onde avançam os casos confirmados da doença: Ceilândia, Sol Nascente/Pôr do Sol, Samambaia e Estrutural. Além da tropa da saúde pública, megaoperação reuniu homens e mulheres do DER/DF, do Corpo de Bombeiros e das polícias Civil e Militar, entre outros órgãos | Foto: Acácio Pinheiro / Agência Brasília Atendendo […]